07 dezembro 2016

#SouProfessorCriativo: criando experiências de aprendizagem realmente marcantes

Créditos da imagem: +Marcio Motta 

Há duas coisas que me movem a criar conteúdos diariamente. São duas grandes paixões que norteiam quase todas as atividades da minha vida: a tecnologia e a educação. Trabalhando com ambas há mais de 10 anos, posso afirmar com muita convicção que todo dia aprendo algo novo.

No entanto, uma das grandes questões que martelam a minha cabeça é como aplicar a tecnologia na criação de experiências de aprendizagem mais marcantes. Não se trata apenas de apresentar um app ou mostrar como funciona a regra dos terços da fotografia. Talvez isso nem seja mais assim tão importante porque o seu aluno pode até conhecer mais aplicativos que você. Já a regra dos terços é facilmente percebida e entendida pelos estudantes através dos grids presentes em todos os apps de fotografia do mercado.

O que tenho buscado são experiências de aprendizagem que encontraram nas tecnologias um apoio para algo maior. Experiências que envolvam os alunos nos diferentes movimentos que as tecnologias proporcionam. Vou aproximar da minha realidade, a fotografia, para ficar mais fácil de entender. Fotografar é muito mais do que fazer um clique. É mapear lugares, traçar objetivos, observar atentamente o entorno, perceber os detalhes, dialogar com pessoas, selecionar aquilo que te toca, experimentar, analisar o resultado e propor algo a partir disso. Sei que não é simples, mas sei que é possível e que as tecnologias estão aí para nos ajudar. Uma vez que o professor se aproprie disso, será capaz de criar muitas experiências transdisciplinares memoráveis para os estudantes.

Essa introdução toda foi pra dizer que nessa semana eu esbarrei com uma experiência exatamente nos moldes do que eu buscava. E ela envolve tecnologia, literatura, criatividade e fotografia. O autor é o professor +Marcio Motta do colégio COC Novo Mundo, em Praia Grande, São Paulo. Não vou me prolongar explicando porque ele próprio escreveu um relato sobre o projeto que reproduzo a seguir:

O livro que usamos este ano como base para o projeto de leitura do 6º ano foi escrito por Douglas Adams, uma das grandes mentes literárias que viveram no século 20: "O Guia do Mochileiro das Galáxias". O Guia é o primeiro da Trilogia de cinco livros (isso mesmo, trilogia de cinco...) e narra as aventuras de um humano e seu amigo E.T. pelo Universo, que viajava de um lado para outro conhecendo planetas e avaliando-os. Uma leitura divertida que mistura ficção, ciência, astronomia, política, realidade e muita visão de futuro do autor, que na década de 70 já criava cenários sobre tecnologia muito semelhantes aos de hoje.
Créditos da imagem: +Marcio Motta 
Nosso projeto ocorreu durante todo o ano de 2016, com a leitura sem pressa do livro, rodas de conversa, Dia da Toalha (não vou dar spoiler, ok?), criação de Mascotes E.T's, descoberta sobre o sentido da Vida e fechamos o ano com a criação do nosso próprio guia do mochileiro: "O Guia do Mochileiro Caiçara".
Nosso Guia teve o mesmo objetivo do Guia das Galáxias: mapear pontos de nossa cidade (Praia Grande, SP) para ajudar pessoas de outras localidades a visitarem locais que consideramos bacanas (restaurantes, monumentos, escolas, etc.). Os alunos e alunas usaram a ferramenta Google MyMaps para reunir e mapear conhecimento, experiência, opiniões próprias (e de familiares) e imagens para criar o guia, que agora oferecemos a todos.
Como é um guia colaborativo, ele sempre estará aberto para receber contribuições. E pode ser compartilhado com todos!
Para entender todo o projeto, criamos um site: https://sites.google.com/view/guiadomochileirocaicara
— Márcio Motta

Não contente em desenvolver essa experiência fantástica, Márcio ainda registrou todo o processo em um website para servir como inspiração para outros educadores. Selo #SouProfessorCriativo para você! Agora eu fico aqui imaginando quão divertidas devem ter sido as expedições aos lugares, a escrita, a ilustração, o Dia da Toalha... A pergunta que eu tenho para o professor é: tem pra adulto? ツ

01 dezembro 2016

Como postar foto 360º no Facebook

Cena 360º da Igreja de São Pedro Mártir de Verona em Olinda. Foto: +Karla Vidal

Se não me falha a memória, desde junho deste ano o Facebook liberou o reconhecimento de fotos 360º nas timelines. Esse tipo de imagem permite que o observador possa ver um ambiente em um giro de 360 graus, garantindo uma visão mais detalhada de um determinado local com um simples giro no smartphone ou arrastando a imagem com o cursor do mouse para quem navega via web. A princípio você tem um recorte inicial e ao navegar pela imagem novos detalhes vão sendo exibidos.

Imagens em 360º são produzidas por quase todos os tipos de smartphones atualmente. Geralmente a opção está disponível no menu da câmera, como destaquei na tela do meu aparelho reproduzida a seguir.


Essas imagens são compostas por um conjunto de várias cenas capturadas quando a câmera está no modo Panorama ou Photo Sphere. Normalmente a pessoa que faz a foto é orientada pelo aparelho a posicionar um círculo dentro do outro, girando a câmera até completar os 360 graus. Em seguida o smartphone processa a imagem mesclando todas as cenas em uma única imagem. O segredo é tentar manter uma linha de captura. Se for possível utilizar um tripé as emendas entre uma imagem e outra ficarão quase imperceptíveis.


Para postar no Facebook não há mistério e nem mágica. Uma foto 360 fica identificada na galeria do telefone com um símbolo de um globo como destacado na imagem a seguir. Ao escolher esse tipo de imagem para uma postagem, o Facebook automaticamente a reconhece como uma cena 360º. Ou seja, não tem função especial, basta escolher a imagem na galeria e postar, exatamente como se faz com uma fotografia tradicional.


Se a sua câmera não tem função para produzir uma imagem em 360º, a solução é baixar um app para ajudar você a capturar esse tipo de imagem. Para Android tem o Panorama360. Porém, tanto para Android como para iOS, há a câmera do aplicativo Google Street View que captura cenas em 360º e permite integração com outros apps Google como, por exemplo, o Maps.

Nos últimos meses tenho visto alguns usos muito criativos desse tipo de imagem. Viajantes que mostram cenas ao redor do mundo, participantes de eventos que nos mostram um panorama do que está acontecendo e até mesmo gente produzindo pequenas cenas cinematográficas de terror, surpreendendo quem navega pela imagem. Super divertido!

As oportunidades são inúmeras, é só sacar o celular e criar. Falei especificamente sobre fotos, mas também é possível capturar vídeos em 360 graus. E se você tomar gosto pela coisa, ainda é possível investir em câmeras especiais que capturam imagens 360º de diferentes formas. Mas isso já é assunto para um novo post.

A seguir, incorporei a publicação no Facebook da imagem que abre este post e mais algumas muito criativas para inspirar. Clique na imagem para abrir no Facebook e navegar na cena.



Até mais!

09 novembro 2016

Oficina de leitura interativa apresenta App Books para crianças em São Paulo


Desde o último dia 5 de novembro está acontecendo a São Paulo Tech Week, uma semana de atividades com foco em inovação, cujo propósito é unir toda a esfera tecnológica existente na cidade. Dentro dessa semana também acontece a SP TechKids que é a parte da programação voltada para as crianças e adolescentes.

No próximo sábado (12), o Museu Catavento vai receber a Oficina de Leitura Interativa da StoryMax, atividade integrante da programação da SP TechKids, em que serão apresentados livros-aplicativos (App Books) para um debate sobre Biologia e Sustentabilidade.

A startup de inovação editorial StoryMax vai misturar leitura, tecnologia e biologia a partir de dois App Books: Frritt-Flacc e Ostras. A atividade foi pensada para crianças e adolescentes experimentarem uma forma diferente e divertida de ler, aprender e se engajar na construção de um mundo melhor. Durante a atividade também está programada uma leitura colaborativa e compartilhada que será ponto de partida para discussão sobre os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU e sobre como a biologia pode solucionar os desafios que o planeta enfrenta.

Imagem: divulgação +StoryMax 

Os contos Frritt-Flacc e Ostras integram a Coleção Nova Perspectiva, uma parceria da StoryMax com a Novozymes Latin America e o Sesi Paraná. Os App Books da coleção debatem Biologia e Sustentabilidade a partir de narrativas universais, atividades de reflexão, ação social e experimentos científicos práticos. Os livros-aplicativos são distribuídos gratuitamente nas lojas de aplicativos para tablets e smartphones, iOS e Android, em português, inglês e espanhol.

Confira os links:


Serviço


Oficina de Leitura Interativa da StoryMax
Museu Catavento – Sala Darwin
Sábado. 12 de novembro
Entrada gratuita
Idade recomendada: a partir de 10 anos (também contempla pais e educadores)
Horários: 13h, 14h30 e 16h (três seções)
Informações: Stefany Freitas

05 novembro 2016

Google Innovators reunidos em evento no Rio de Janeiro


No sábado 19 de novembro acontece no Colégio São Paulo, no Rio de Janeiro, mais um encontro do Seminário Amplifica, um projeto de imersão em tecnologias aplicadas à educação liderado pelas Google Innovators Carla Arena e Samara Brito. Do evento, além das idealizadoras, participam das atividades diversos educadores que integram a rede Google Innovators Brasil, conhecida pela diversidade de pessoas, saberes e competências que congrega.

Google Innovators são professores certificados pelo Google que atuam como embaixadores pela mudança de comportamento e pelo empoderamento de outros professores e também dos alunos. São educadores atuantes, amantes da tecnologia, cuja missão é fomentar a cultura da inovação em qualquer espaço de aprendizagem, da sala de aula até a rua. O +Seminário Amplifica é uma iniciativa que vem sendo posta em prática para atender a essa missão. Só em 2016 o evento já passou por sete capitais diferentes: São Paulo e Curitiba (março), Florianópolis (abril), Belo Horizonte (maio), Porto Alegre (agosto), Recife (setembro) e Brasília (outubro), seguindo para mais um encontro de sua temporada no Rio de Janeiro em novembro.

O Amplifica capacita docentes para a transformação da aprendizagem com ferramentas digitais Google. Em um sábado inteiro de atividades os participantes entram em contato com especialistas e recursos em experiências planejadas para colocar a mão na massa e refletir sobre suas práticas. Tudo fundamentado na colaboração, na criação, na autoria e principalmente no aprendizado, questões destacadas pela equipe de Innovators empenhada em apresentar todo o encantamento que é possível construir com uma boa pitada de tecnologia educacional.

Pensando em garantir uma experiência de aprendizagem diferente e agradável o Amplifica oferece ao participante, além das sessões e workshops, momentos de descontração como o café da manhã musical e o Makerspace, onde é possível bater papo com cada um dos Google Innovators presentes no evento. Outra vantagem é que os professores inscritos recebem certificação com selo Google e ainda concorrem ao sorteio de um Chromebook, computador equipado com todas a ferramentas Google e pronto para ser utilizado durante o dia de atividades. Os professores e gestores interessados podem realizar a inscrição no link amplifica.org/rio.

Google Innovators

 


Na programação do Amplifica Rio vai estar presente o professor e fotógrafo Márcio Motta. Embaixador da Khan Academy no Brasil, Márcio desenvolve uma série de projetos que integram recursos digitais e fotografia às experiências de aprendizagem. No colégio COC Novomundo, onde é professor de ciências, coordenou Invisíveis, um projeto de iniciação científica em que os alunos do ensino médio desenvolveram um trabalho de fotografia composto por retratos produzidos a partir de encontro e conversas com pessoas desconhecidas. Na programação do Amplifica o professor apresenta como o Google Fotos ajudou nessa experiência.

Outro nome na programação do Amplifica Rio é o educador Kadu Braga que viajou pelo país na expedição MundoMaker. A bordo de uma caminhão Kadu e outros educadores partiram de São Paulo até Belém do Pará em uma expedição de 3 meses, desenvolvendo oficinas Maker em várias comunidades nas trajetórias de ida e volta. No Amplifica, Rio Kadu Braga vai mostrar como o Google Earth e o Google Maps são capazes de apoiar uma iniciativa desse porte.

Serviço


#AmplificaRio
Inscrições com desconto para a rede Pipa: http://bit.ly/pipaamplifica
Dia: 19/11, Sábado
Horário: 8h às 18h
Local: Colégio São Paulo
Endereço: Av. Vieira Souto, 22 – Ipanema, Rio de Janeiro – RJ, 22420-002

Momentos da última edição realizada em Brasília


01 novembro 2016

Imperdível! Curso de Pensamento Visual no Recife


O Pensamento Visual ou Visual Thinking é o conjunto de estratégias que podemos utilizar para traduzir uma ideia de forma gráfica, que pode ser tanto analógica como digital, texto ou imagem ou ambos combinados. Falando assim parece até complicado, mas eu te digo que não é. Como qualquer produção visual o que você precisa basicamente é entender e aprender a enxergar diferentes perspectivas para construir novos hábitos de produção.

Compliquei mais ainda? Vou simplificar! Você certamente está cercado de múltiplas produções originárias das estratégias de Visual Thinking. Aquele infográfico que você recebeu sobre como se manter criativo ou o mapa mental que seu colega desenhou durante a última reunião de brainstorming são exemplos de aplicação do pensamento visual a uma ideia. Quer mais exemplos? Esse pôster que você salvou no Pinterest ou essa animação que você viu no site mais acessado do momento.

Entender sobre Pensamento Visual é algo imprescindível para quem trabalha com conteúdo hoje em dia: professores, comunicadores, executivos de marketing e publicidade, social media, blogueiros, youtubers, influenciadores e qualquer pessoa que utilize imagens para transmitir uma ideia ao público. Principalmente quando essas ideias possuem um grau elevado de complexidade.

Há muito tempo eu buscava a possibilidade de participar de um curso de Visual Thinking porque eu tenho certeza que vai mudar a minha forma de enxergar muitas coisas, mesmo já conseguindo ver o mundo de uma forma diferente devido ao contato constante com a fotografia, a comunicação e o design. Tenho lido sobre o assunto e participado de talks online, mas o que eu queria mesmo era pôr a mão na massa!

E essa oportunidade chegou! Na última sexta-feira estive com +Augusto Noronha na Jump Brasil aqui no Recife para um bate-papo com Sidan Orafa que nos apresentou o curso de Pensamento Visual: como comunicar melhor as suas ideias que vai acontecer no Recife, pela primeira vez, no próximo dia 12 de novembro. 


Muito simpático, Sidan apresentou o curso de uma forma simples e descontraída fazendo o que faz de melhor: registrando visualmente sua trajetória e os passos do curso.

Eu tô achando que já falei demais. Tô indo na direção contrária do curso. A melhor coisa que tenho a fazer agora é mostrar a apresentação visual que os facilitadores prepararam aplicando o pensamento visual ao conteúdo do curso. Aí sim, vocês vão entender melhor sobre Visual Thinking. Lá vai:


https://manifesto55.com/wp-content/uploads/2016/07/jornada-do-pensamento-visual_v02_1300x1848.jpg


Se ainda assim você está em dúvida, dá o play nesse vídeo e ouve o que o Sidan tem a te dizer sobre a experiência. Eu já estou inscrita. A gente se encontra por lá? :)


 

Serviço


Curso Pensamento Visual
Valor: R$ 250,00 até o dia 4 novembro
Inscrições: https://manifesto55.com/pensamento-visual

Facilitador: Sidan Orafa {bio}
Data: 12 de novembro das 9h às 18h
Local: JUMP Brasil. Rua Capitão Lima, 420 - Santo Amaro, PE, 50040-080 {ver mapa}