10 fevereiro 2013

Os movimentos no Carnaval do Recife


Eu tenho um ciúme mortal de todas as minhas câmeras. Pode até ser apego demais a algo material, mas eu não considero assim. Todas elas têm uma história importante e marcam um momento específico na minha vida. Os momentos marcantes geralmente dizem respeito ao quanto ralei para conseguir tê-las, seja pelo custo alto ou pela dificuldade de acesso, ou ambos...

É por isso que existem alguns momentos em que entro em conflito comigo mesma quando a vontade de fotografar é muito grande, por exemplo, no carnaval. Geralmente a razão vence a vontade quando lembro dos perigos que corro ao portar uma câmera no meio do carnaval de Recife ou de Olinda. Sei que se perder uma câmera profissional eu vou ter que ralar muito para fazer a reposição.

Aí o lado designer aflora. Aquele que é acostumado a encontrar soluções para seguir em frente com os projetos. Quase sempre a solução é utilizar câmeras compactas, aquelas que se forem roubadas ou quebrarem deixarão saudades, mas não muito prejuízo. Mas, quando você está na rua com elas dá uma tristeza em ver cenas tão lindas e que você não vai conseguir captar com uma qualidade técnica muito boa. Nessas horas eu tenho que assumir que o equipamento faz diferença...

Faz diferença, mas não impede você de ver, nem de registrar. A fotografia é muito mais do que o equipamento. Ele dá um suporte importante, mas nunca vai sentir a cena por você. Essa função é só sua. E pensando assim eu me ponho na rua, no meio do povão, de compacta na mão e não tô nem aí pra muita técnica.

Não tenho as fotos mais nítidas, nem os focos mais perfeitos, aliás, foco é uma coisa extremamente difícil de fazer com os elementos da cena em movimento. Até se consegue, mas se perde metade do encanto da cena. No entanto, tenho movimento, tenho cor, tenho luz e tenho alegria. E isso basta para sentir uma cena e fazer com que muitas outras pessoas também sintam. Assim, eu deixo registrada aqui no blog uma pequena série de retratos que fiz na tarde do domingo de Carnaval, aqui no Recife.









Espero que gostem!