08 fevereiro 2014

Onde ir na França: Strasbourg

Place Kléber, Strasbourg. Foto: Karla Vidal.

Férias sem nenhum roteiro definido. Essa foi a situação de minha viagem à França em março de 2013. Fiquei hospedada na casa de familiares em Nancy e uma das sugestões era agendar um dia para conhecer a cidade de Strasbourg. O pouco que sabia sobre a cidade era que, por ser próxima à Alemanha, sua arquitetura era totalmente influenciada pelo padrão das edificações alemãs. E só sabia isso graças às leituras de interpretação de texto do meu livro didático de francês (Tout va bien!).

Estrada para Strasbourg. Foto: Karla Vidal

De Nancy para Strasbourg são quase duas horas de viagem. A estrada é linda e em perfeitas condições. A minha “pós-graduação” sobre a cidade começou ainda na estrada. Strasbourg está situada numa região conhecida como Alsace (Alsácia) que é uma área de grande importância histórica, conhecida pelos conflitos entre os povos e países que desejavam dominar a região. Hoje a cidade é administrada pela França e integra o território do país, mas todo o clima é alemão e tem também algo meio suíço no ar. Você percebe que está entrando em um novo ambiente já na estrada. A topografia muda, as árvores mudam... Aquela sensação de que mudou de país, mesmo ainda estando na França. 

Cegonha símbolo da região da Alsácia e as belíssimas ruas por onde não trafegam veículos. Fotos: Karla Vidal

Chegamos por lá, eu e minha família, por volta das 10h da manhã. Na cidade há muitas placas de sinalização escritas em francês e alemão, além das indicações em inglês para os turistas. Nas ruas muita gente fala alemão e há pessoas que falam alsaciano ou outra língua que não consegui identificar. Arrisco dizer que a arquitetura é quase totalmente alemã, com exceção da região chamada de Petite France (pequena França) onde é possível ver algumas construções com estética mais francesa, mesmo assim muito diferentes do que vi em Nancy ou em Metz, as duas outras cidades que conheci no interior da França. Uma coisa que vale a pena destacar é que o governo de Strasbourg faz de tudo para preservar a cidade. Nas principais áreas do centro não circulam automóveis. Quem chega de carro, como nós fizemos, deve utilizar um dos grandes estacionamentos que ficam no limite da cidade e seguir até o centro de ônibus ou de trem, que são ótimos, por sinal. Assim, é possível manter a região intacta.

Letreiros encantadores por todos os lados da cidade. Fotos: Karla Vidal

A cidade é pequena e lindíssima. Ruas estreitas e cheias de lojas com letreiros encantadores conduzem você a grandes praças ou áreas de convivência com cafés e restaurantes muito charmosos. Não é a toa que carrega o título de capital da Alsácia e foi escolhida como sede do Conselho da Europa. Strasbourg é agradável, tem uma atmosfera aconchegante, as pessoas são prestativas e simpáticas, muito mais do que em Paris.

Gastronomia


Aviso logo: se você não é fã da culinária alemã, certamente vai ter um pouco de dificuldade na hora do almoço. A maioria dos restaurantes por onde passei era especializada em pratos alemães. Os que não eram, serviam crepes. Agora, se você é fã de uma boa cerveja e não tem problemas com carne de porco, Strasbourg será um paraíso para você. Claro que vai haver restaurantes de queijos e do famoso foie gras, mas o que domina no centro turístico é mesmo o Choucroute e o Baeckeoffe. Escolhi esse último, um mix de carnes e legumes cozidos, para o almoço em um pequeno e charmoso restaurante próximo da Cathédrale Notre Dame de Strasbourg, chamado La Table d'Emilie.

As cervejas são tão atraentes que chamam a atenção até de quem não bebe. Foto: Karla Vidal

Se quiser um bom café, a minha indicação é a rede Paul. Tem em toda a França. Usamos os serviços em todas as cidades por onde passamos e posso dizer que o atendimento é perfeito. Excelentes cafés e salgados. Entreguei todo meu amor aos croissants e ao pain au chocolat. No leste da França você pode e deve comer sem maiores preocupações, pois o clima frio e as longas caminhadas fazem você queimar praticamente todas as calorias que consome.

A Catedral


Imagem da parte interna da Cathédrale Notre Dame de Strasbourg. Foto: Karla Vidal

Um parágrafo à parte para a Cathédrale Notre Dame de Strasbourg. Tentei fotográfa-la por inteiro, mas ela não cabe na cena. Tenho até dúvidas se uma lente grande angular conseguiria tamanha proeza. A Catedral de Strasbourg foi a edificação mais alta do mundo até 1874. Hoje é a segunda mais alta catedral da França. É muito grande, é gótica e é escura. É um lugar interessante de conhecer, mas é tenebroso. Parece que o peso de tudo que aconteceu na história cai automaticamente sobre os seus ombros quando você entra na igreja. E, como relata a história, situações não muito felizes aconteceram em igrejas e suas áreas externas, geralmente grandes praças abertas. É uma experiência diferente.

Para turistar: bateau-mouches


O que mais valeu a pena em Strasbourg foi o passeio de bateau-mouche. É uma experiência muito gratificante. São barcos recobertos por vidro que trafegam nos canais da Petite France e na barragem Vauban. No barco você tem acesso a um audio guide que apresenta a história dos lugares por onde se passa, incluindo a história das pontes e do próprio canal.

A charmosa cabine para compra dos bilhetes e, ao seu lado, o bateau-mouche. Foto: Karla Vidal.

Em um determinado momento do passeio, o barco chega a uma eclusa. Comportas se fecham e a água é retida fazendo o barco subir. Com o barco mais elevado, você passa a ter uma visão ainda mais bonita da cidade. O passeio dura pouco mais de uma hora e custa 9,60 euros. Há reduções para crianças e estudantes. O audio guide está disponível em diversas línguas. É uma experiência incrível para quem gosta de observar belas imagens e de história.

Turistas que fazem o percurso a pé, às margens do canal. Foto: Karla Vidal.

O circuito do bateau-mouche também pode ser feito a pé, pela área da margem, bem ao lado do canal e dos gansos e cisnes que nadam por lá. Muitas pessoas usam essas margens para se exercitar. Se fosse passar mais de 24 horas na cidade com certeza faria esse passeio. Também é possível fazer a mesma caminhada pela parte alta, seguindo o percurso das pontes. Durante o percurso você ouve a história das construções enquanto aprecia a vista. Ao chegar ao Conseil de L’Europe o bateau-mouche retorna ao ponto de partida.

Para terminar o passeio seguimos a pé para o Musée d'art moderne et contemporain de Strasbourg. Nele, o que há de mais interessante, em minha opinião, é a área onde estão expostos os projetos, desenhos e maquetes das maiores obras da França como a Torre Eiffel. É impressionante. Infelizmente essa área do museu não pode ser fotografada. Nele também há belíssimas pinturas, como em todo grande museu francês, e uma coleção de retratos impressionante.

Compras


As cidades do interior da França são um ótimo território de compras. Encontram-se todas as lojas e galerias famosas. Alguns dos meus pontos de referência para andar em Strasbourg foram uma C&A e a Galeries Lafayette, mas não consegui ir a nenhuma delas porque o tempo estava apertado.

Na imagem à esquerda a enorme catedral, muito maior do que os já enormes outros prédios. À direita Galeries Lafayette. Fotos: Karla Vidal.

Realmente interessantes são as lojinhas de souvenirs que estão espalhadas aos montes nas ruas. Há coisas lindas, muitas com a cara da região e aquela estética alemã que mencionei no início do texto. Quem gosta de objetos de decoração, antiguidades e mimos não vai conseguir se controlar. Trouxe comigo postais, pôsteres e só não trouxe louças e outras peças porque podiam quebrar e eu não tinha mais espaço na mala.

Pâtisserie em Strasboug. Foto: Karla Vidal

As lojas de comida também são um espetáculo. Há casas de pães e chocolates realmente encantadoras. Vimos verdadeiras obras de arte feitas com pão e chocolate. Como era época de Páscoa, ovos e coelhos eram as estrelas da maioria das vitrines.

A seguir, mais imagens da cidade:

Área para estacionamentos de veículos. Foto: Karla Vidal

Arquitetura com estética alemã.  Foto: Karla Vidal

Cidade muito bem sinalizada.  Foto: Karla Vidal

As famosas placas com as sugestões dos "pratos do dia".  Foto: Karla Vidal

Vitral da Catedral de Strasbourg.  Foto: Karla Vidal

Roteiro do passeio de barco.  Foto: Karla Vidal

Acesso aos bateau-mouches.  Foto: Karla Vidal

Impressionada com a cidade. Autorretrato.

Sogra charmosa impressionada também. Foto: Karla Vidal

Canal Vauban. Foto: Karla Vidal

Parlamento Europeu. Foto: Karla Vidal

À esquerda os belos postais à venda na maioria das lojinhas da cidade. À direita a obra Portrait d'une fillette de Charles David Winter em exposição no Museu de Strasbourg. Foto: Karla Vidal

Souvenir das lojinhas de Strasboug. Foto: Karla Vidal

Parte mais alta da cidade vista do canal.  Foto: Karla Vidal

Academia da Cerveja.  Foto: Karla Vidal

* Esse texto foi produzido originalmente para a seção Passaporte do blog Oxente Menina em resposta ao convite da amiga Ana Lu Fragoso, mãe de Luca e esposa do também amigo Rodrigo Fragoso.