12 abril 2015

Onde ir no Recife: Jardim Botânico

Jardim Botânico do Recife. Foto: +Karla Vidal 

Estamos trabalhando na produção de um livro que, entre muitos outros aspectos, vai abordar questões relacionadas à Amazônia. Para elaboração do projeto gráfico precisávamos de imagens com referência direta à natureza: plantas, fungos, flores etc. Foi assim que carregamos o equipamento e partimos em direção ao Jardim Botânico do Recife.

Apesar de ter sido criado em 1960, o Jardim Botânico do Recife só foi aberto para visitação do público em 1989. Desde essa data a área de proteção ambiental passou por algumas reformas, a mais recente delas realizada em 2013. Morando no Recife há mais de 15 anos foi a primeira vez que visitei o equipamento público.

O acesso é gratuito e o espaço todo muito bonito e extremamente bem cuidado. Há funcionários espalhados por todos os lados, todos muito simpáticos e bem informados. As trilhas são bem sinalizadas e o sinal de internet funciona muito bem.

Fotos: +Karla Vidal 

São diversos ambientes interligados por trilhas. Logo na entrada você será informado de quais trilhas estão interditadas. Um dos guardas com quem conversamos por alguns minutos nos informou que sempre há trilhas interditadas por diferentes motivos. Naquele momento a razão de uma interdição era a queda do fruto de uma das árvores que poderia causar acidentes. Segundo ele a semente era uma espécie de coco do tamanho de uma bola de futebol e costumava cair com muita frequência nessa época do ano.

As trilhas são encantadoras e você se sente realmente no meio da floresta. A mata está perfeitamente conservada e o estímulo visual de quem foca nos detalhes é acionado a cada segundo. São folhas, flores, insetos, feixes de luz, reflexos e uma série de outras cenas cativantes.

Foto: +Karla Vidal 

Passamos alguns minutos conversando com alguns guardas florestais que nos contaram um pouco da história do lugar entre uma picada de mosquito e outra. Aliás, essa é uma dica importante para quem deseja visitar o lugar. Use calças, sapatos fechados e camisas com manga porque há muitos mosquitos e outros insetos no ambiente. Se você se incomoda muito com isso evite o passeio. É importante lembrar que o convidado naquele ecossistema é você. Outra dica é tentar evitar maquiagem e outros cosméticos. O cheiro pode atrair mais insetos ou incomodar outros animais. É bom lembrar que o clima lá é extremamente úmido. Ao insistir na make o resultado final será desastroso porque vai derreter.

Não há comércio por lá. Mas, há outros ambientes onde é possível parar para admirar a natureza e fazer um lanche ou um pique-nique. Só lembre de levar água, comida e sacos para transportar seu lixo.

Orquidário e passadiço. Fotos: +Karla Vidal 

Em uma das trilhas há um meliponário que são casinhas de madeira onde vivem colônias de abelhas. Nas trilhas as espécies de plantas estão sinalizadas e os textos trazem informações científicas e outras bem curiosas sobre as plantas. Uma que me chamou atenção foi o Pau de Jangada. Conversando com outro guarda florestal muito simpático descobrimos que essa árvore, como o nome já diz, foi muito explorada para a produção de jangadas e quase foi extinta. Segundo ele a árvore foi mais explorada do que o Pau-Brasil.

Foto: +Karla Vidal 

A região do orquidário é uma das áreas mais bonitas do Jardim Botânico. O ambiente está todo cercado por água onde também vivem exuberantes plantas aquáticas, peixes e répteis: tartarugas, tracajás e cágados. Há passadiços de madeira que permitem que você se situe sobre a água para observar os animais e as plantas bem de perto. É uma área muito aconchegante.

Foto: +Karla Vidal 

Outra experiência bem interessante é o Jardim Sensorial onde é possível estimular os sentidos experimentando ouvir, tocar, comer e cheirar os elementos nele dispostos. É muito divertido! E por falar em diversão, há placas espalhadas pelos jardins internos produzidas especificamente para promover interação com as crianças. São pistas que as vão levando a descobrir espécies de plantas e animais. Tudo muito bem pensado. Uma iniciativa educativa muito importante na formação da criança enquanto cidadã que deve respeitar o ecossistema.

Foto: +Karla Vidal 

Também há jardins específicos de palmeiras, cactos e bromélias. Observar os nomes populares atribuídos aos cactos é uma experiência bem curiosa.

O Jardim Botânico do Recife é todo acessível. Há guias de acompanhamento e acesso para cadeirantes. Os espaços de apoio contam com bancos e banheiros. Tudo muito bem organizado. Está localizado no Curado com acesso pela BR. Acesse esse mapa para saber direitinho como chegar. Confesso que fiquei me perguntando sobre o motivo de não ter feito esse passeio antes.

E quantos as imagens para o projeto do livro deu tudo muito certo. Algumas espécies que lá vivem são nativas de várias regiões do Brasil, entre elas a Amazônia. A seguir, mais imagens:

Foto: +Karla Vidal 

Foto: +Karla Vidal 

Foto: +Karla Vidal 

Foto: +Karla Vidal 

Foto: +Karla Vidal 

Foto: +Karla Vidal 

Foto: +Karla Vidal 

Foto: +Karla Vidal 

Foto: +Karla Vidal

Foto: +Karla Vidal

Foto: +Karla Vidal