03 agosto 2015

Mais um top five de seriados do Netflix


As férias acabaram, mas deixaram um belo saldo positivo. Não vou mentir dizendo que foi nessas férias que comecei a assistir às séries que vou listar. No entanto, foi nesse período que eu pude fazer aquela maratona básica de assistir umas três temporadas seguidas. Sim, sou dessas! Quem perdeu a minha primeira listagem de séries pode acessá-la clicando aqui.

Vou partir direto para a lista e na descrição de cada série explico direitinho como cheguei até elas e o que mais me tocou em cada trama. Só quero destacar que eu sempre tento fugir um pouco das séries mais bombadinhas para conhecer coisas novas. Não que eu não assista às famosas, mas gosto mesmo é de pesquisar e assistir a produções que não entram no slide de destaques do Netflix.

Vamos a elas:

1- Lilyhammer



Conheci o seriado quando fui produzir um trabalho final para concluir um curso online sobre teledramaturgia escandinava. Eu já era fã de carteirinha de The Killing que é um remake de uma outra famosa série escandinava intitulada Forbrydelsen. Posso dizer que ainda não me arrependi de nada daquilo que assisti de origem escandinava. Os enredos são excelentes e os atores ainda melhores. Lilyhammer é uma série com pegada gangster, mas de humor. O humor nórdico é politicamente incorreto, mas divertido. O enredo apresenta a história de um mafioso americano que é delator de um chefão da máfia e precisa trocar de identidade e se mudar para a cidade de Lillehammer na Noruega. O que motiva a escolha da cidade já é uma piada. O choque cultural misturado ao esforço para manter a real identidade em segredo desencadeiam uma série de situações realmente hilárias.

2- Mr. Selfridge



Gosto de produções europeias e de época (♡ Downton Abbey ♡). Foi assim que decidi apertar o play em Mr. Selfridge. A série é sobre a construção da primeira grande loja de departamentos da cidade de Londres. O mote é bem interessante, principalmente para quem curte moda e design. Não há explicações de conceitos, mas existem dicas bem bacanas sobre a história de produtos e sobre história em geral. Os atores são muito bons, mas tenho uma leve implicância justamente com o protagonista. No começo achei um pouco caricato demais. Hoje já acostumei. Detalhe: Mr. Selfridge é um norte-americano abrindo um mega empreendimento em Londres.

3- Returned



Quando Returned apareceu no Netflix foi aquele fuzuê comparando-a com Ressurection. São parecidas mesmo, mas Returned é muito mais envolvente. Na verdade ela é mais envolvente porque é cópia fiel da original francesa Les revenants que consegue ser ainda mais envolvente e melhor na minha opinião. A questão é que a versão francesa não está no Netflix... Voltando para Returned, o enredo apresenta a história de uma cidade em que os mortos retornam à vida do nada, na maior naturalidade possível, anos após uma morte trágica. O caso mais dramático é o das irmãs gêmeas em que uma morre e volta dois anos depois com a idade que tinha quando morreu. Fica aquele climão de gêmeas idênticas, mas com idades diferentes. Não dá pra contar muita coisa porque a série é puro mistério. Pra quem gosta (eu!) é um prato cheio.

4- Hinterland



Mais uma boa série inglesa. Inspirada no estilo noir escandinavo é uma série de investigação em que o protogonista (que é um investigador, pra variar) se muda para Hinterland, em tradução livre terra de trás, a parte menos desenvolvida do Reino Unido. Assim como The Killing e mais um "tantão" de seriados de investigação nos moldes escandinavos, o protagonista de Hinterland se une a uma parceira de investigação para solucionar crimes de assassinato. A terra de trás, nesse caso, é o País de Gales.


5- Bates Motel



Não tem um só fã de Hitchcock que não tenha clicado em Bates Motel. A proposta da série é abordar a adolescência de Norman Bates que é, apenas, o protogonista do clássico filme Psicose. É uma responsabilidade muito grande para um seriado apresentar ao público as nuances do comportamento do jovem psicopata desenhado por Robert Bloch e adaptado para o cinema por Alfred Hitchcock. Logicamente que o seriado derrapa em alguns pontos, mas não deixa de ser uma opção para quando você estiver naquele período órfão de fim das temporadas de The Walking Dead ou de Game of Thrones.

É isso! Quem assistir a alguma delas vem aqui comentar se gostou ou não, combinado?