25 agosto 2015

Menos fake e mais maker!

Textura da escada de pintura de um senhor muito maker: meu pai. Foto: +Karla Vidal.

Quando se fala em robótica a gente pensa logo em algo complicado que só pode ser desenvolvido pelos gênios e de preferência com o auxílio da Nasa. Eu, por exemplo, pensava assim até bem pouco tempo atrás.

Foi a aproximação com o Movimento Maker que me fez perceber que os projetos de gambiarras que meu pai criava na garagem da casa onde cresci eram repletos de fundamentos da robótica. Percebi isso nas minhas andanças pelo Instructables que considero um dos melhores espaços maker online.


Nicho maker do meu pai. Foto: +Karla Vidal.
Meu pai sempre reutilizou materiais para criação de algo que solucionasse algum problema da casa. Para isso ele usava conectores, capacitores, baterias de carro, uma sucata danada. Daquilo tudo ele criava de ratoeiras eletrônicas até uma televisão que funcionava ligada à bateria do carro para situações de falta de energia. Eu amava aquela parafernália toda. O que papai desenvolvia cabe muito bem no que hoje está sendo aplicado às práticas educativas como a Cultura Maker, a Gambiologia ou a Robótica Livre.

O mais importante de todos esses movimentos é motivar e capacitar os alunos para a criação de artefatos que possam solucionar problemas. Isso faz com que estudantes e educadores estejam envolvidos de forma pareada, trabalhando juntos nesse processo criativo. É inovador porque muda completamente a estrutura de aula com a qual estamos acostumados. As possibilidades são infinitas!


Um pouco desse novo cenário de aprendizagem vai ser apresentado no Centro de Informática (CIn) da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) no próximo dia 4 de setembro. É a ação Robótica Pedagógica Livre organizada pelo grupo de pesquisa Ciências Cognitivas e Tecnologia Educacional (CCTE) com o apoio do Estúdio Abble de Aprendizagem.

A ação é composta por uma manhã de atividades com acesso livre, marcada para iniciar a partir das 8h. Podem participar professores, estudantes das licenciaturas, pesquisadores e profissionais de áreas ligadas à Educação de modo geral. A participação é gratuita e não há inscrição. No entanto, é preciso observar que o espaço do auditório do CIn é limitado, são mais ou menos 50 vagas.

Da programação faz parte a palestra Robótica Pedagógica Livre: uma alternativa metodológica para a emancipação sociodigital e a democratização do conhecimento com o professor Danilo Rodrigues Cesar, Pós-doutor em Educação, Doutor em Difusão do Conhecimento e criador da metodologia Robótica Pedagógica Livre. Danilo desenvolveu o conceito em sua tese de doutoramento apresentando possibilidades de trabalhar a robótica, de forma livre e pedagógica, usando artefatos simples como sucatas. Uma abordagem diferenciada da robótica tradicional que utiliza kits padronizados e comercialmente adquiridos. No evento o pesquisador vai abordar as contribuições da Robótica Pedagógica Livre (RPL) na ressignificação das experiências de aprendizagem.

Na ocasião também estará presente o militante de software livre Marcos Antonio Rufino do Egito. Educador social das áreas de Software e Robótica Livres, Marcos vai apresentar ao público as ações do Centro Marista Circuito Jovem (CMCJ) que desenvolve um programa de formação de adolescentes e jovens em situação de vulnerabilidade mediado pelas novas tecnologias de informação e comunicação.

Entre os trabalhos desenvolvidos no CMCJ está a criação de robôs a partir de resíduos eletroeletrônicos. São peças simples que fazem parte do cotidiano de cada jovem criador e também materiais originários de doações como cabos, fontes e conectores.

Para completar a programação da ação Robótica Pedagógica Livre estarão expostas no hall do CIn/UFPE algumas das peças desenvolvidas pelos jovens formados pelo Centro Marista Circuito Jovem.

Nós estaremos por lá. E você?

Foto: +Karla Vidal.

Manhã Robótica Pedagógica Livre 
Evento aberto ao público
Palestrantes: Danilo Rodrigues Cesar e Marcos Antonio Rufino do Egito
Onde? Auditório e Hall do Cin UFPE
Quando? 4 de setembro de 2015 das 8h30 às 10h30
Público-Alvo: Educadores, estudantes das licenciaturas e pesquisadores de áreas ligadas à Educação. Promoção: CIn/UFPE e CCTE/UFPE
Apoio: Estúdio Abble de Aprendizagem